Sílvia Bijoux e Acessórios

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

92. QUANDO O CANSAÇO TOMA CONTA DE MIM

Sabe, fico pensando se algum dia voltarei a ser como eu era, ou o mais parecida possível. Hoje é um desses dias.

Tenho muitas coisas na cabeça. E isso às vezes (ou quase sempre) me leva a pensamentos tristes, me faz ficar triste, pra baixo. 

Quando você  se cobra demais, muito mais do que deveria, quando você espera o melhor de você mesma sempre, quando você espera que os outros te vejam sempre procurando fazer o melhor e o mais correto, que te vejam. Simples assim. Você quer ser vista, quer ser enxergada, quer ser notada de alguma forma, mas você precisa que te vejam, que te olhem. Que te notem no meio de uma multidão brilhante e sagaz.

Eu sou assim hoje em dia. Preciso que me vejam, preciso que me notem de alguma forma. Não quero mais ficar em segundo plano ou colocada de lado. Não quero mais ter que implorar pela atenção de alguém. Não quero mais ter que pedir para alguém gostar de mim.

Estou cansada. Cansada, cansada, cansada.

Cansada de ser forte. Cansada de TENTAR ser forte. Cansada de tentar ser alguém. Cansada de tentar ser qualquer coisa. Cansada de ser séria demais. Cansada de ter que me controlar sempre. Cansada de me policiar para não falar o que penso e não agradar a alguém. Cansada de pensar que talvez eu tenha sido dura demais com alguém. Cansada de tentar lembrar de tudo, de todos, de qualquer coisa, qualquer lugar ou ocasião. Cansada de ter que tomar remédios, de sentir dores todos os dias, de me sentir coitada. Cansada de não ter respostas.

São momentos perigosos. Muito perigosos. Momentos que inspiram cuidado de minha parte e de quem está ao meu redor. Momentos em que um pequeno descuido meu possa vir a me levar a fazer alguma besteira. E quase todos os dias, desde que me descobri depressiva, me pego pensando em morte.

Dou graças ao Mestre Jesus por amanhã ser quinta feira. Amanhã é dia de terapia, é dia de me dedicar a mim e a Jesus. 

Que o amanhã chegue logo, porque hoje, agora, neste exato momento, tudo o que eu mais queria era morrer. 

sábado, 21 de outubro de 2017

91 - UM DIA QUE ERA PARA SER FELIZ...

Hoje era um dia que deveria ser feliz.

Feliz porque meu sobrinho tão amado faz 18 anos.

Feliz porque uma das minhas melhores amigas faz aniversário.

Feliz porque eu deveria estar entre amigos e parentes que me querem tão bem. Mas que ao mesmo tempo me fazem muito mal por não saberem lidar com a minha depressão.

Mais uma vez me isolo. 

Me isolo do mundo, me isolo das pessoas, me isolo dentro de mim mesma e me enclausuro para não sair gritando pelo mundo como uma maluca.

A vontade que tenho é de ligar o foda-se e fazer o que quiser e o que vier na minha mente. Mas não posso. 

Anos e anos de repressão, de tentar fazer o que os outros querem para agradá-los e me aceitarem me trouxe aonde estou agora.

Anos e anos tentando ser o que eu nunca fui me trouxeram ao final do poço novamente. E cada vez que isso acontece fica mais e mais difícil de sair do buraco.

Talvez eu tenha errado em alguns aspectos. Talvez eu não devesse ter invadido o espaço dos outros e buscado respostas que estavam na minha frente mas que eu nunca quis ver de verdade. Sim, por esta invasão eu peço desculpas.

Mas não peço desculpas pelas coisas que descobri, que finalmente, só desta forma tão drástica, eu consegui enxergar. Não peço desculpas por ser depressiva, não peço desculpas por estar doente, não peço desculpas por não fingir que tudo está bem, porque NÃO ESTÁ!!!!

Não peço desculpas, ao contrário, exijo desculpas por também terem invadido minha privacidade e duvidado de meus sentimentos, de minha doença. E o que para mim é pior - para pessoas que não fazem mais parte do meu dia-a-dia há anos por fatos que não vem ao caso agora.

A invasão de privacidade foi dupla. Para um lado trata-se apenas de questão moral, de orgulho ferido porque sabem que falaram o que não é verdade, ou o que não querem enxergar como verdade. Para outro lado a invasão foi pessoal, foi uma punhalada, foi um sentimento muito ruim de abandono, de quebra de confiança, de coração machucado e magoado. Para um lado provavelmente logo vai passar, pois a mente é sã. Para outro, que já tem a mente conturbada demais com problemas adquiridos desde a infância e que só agora vêm a tona vai custar para passar. Talvez nunca passe. Talvez esse outro lado resolva apenas colocar mais uma pedra em cima de mais um assunto para tentar levar a vida adiante e fingir que o mundo é perfeito, a vida é bela, o ser humano é lindo e todos se amam.

Para esta mente, cansada, alquebrada, despedaçada, sofrida e magoada o único descanso que ela consegue ver no momento é o descanso eterno.

Até quando, Jesus, meu Mestre, eu conseguirei suportar tamanha dor?

Fica a pergunta...

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

90 - AFINAL, O QUE FAZER?? FICA A PERGUNTA...

O que fazer quando te derrubam, quando tiram seu chão?

O que fazer quando você duvida da sua própria sanidade? E o que é pior, quando as pessoas que mais importam pra vc duvidam dos seus sentimentos e acham que tudo não passa de “coitadismo”?
Nossa! Que dor.

Nunca pensei que fosse sentir tanto. Não consigo nem descrever direito meus sentimentos.

Vazio.

Solidão.

Angústia.

Pânico.

Tristeza.

A vontade de sumir só aumenta.

A vontade de morrer vem sempre crescendo em proporções assustadoras. Isso me assusta muito.

Viver realmente perdeu o sentido.

Viver pra que?

Viver pra quem?

Será que meu destino é esse?

Será que minha missão é tirar minha própria vida?

Será que eu fui tão má assim em vidas passadas?

Será que eu sou tão má assim nesta vida?

Que caminho eu devo escolher?

Como achar novamente a luz se estou perdida na escuridão sem fim?

Será isso tudo num pesadelo ou imaginação minha?

Quisera eu saber as respostas para todas as minhas angústias.

Quisera eu conseguir ser feliz de novo.


Quem sabe um dia eu consiga outra vez, nesta ou em outra vida…

88 - UMA ESTRANHA AO ESPELHO

Este texto eu escrevi em janeiro de 2017 e ainda não havia publicado até hoje. Então, aqui vai...



QUEM SOU EU? 


NO QUE EU ME TORNEI? 


Que pessoa covarde,  sem vontade,  sem sentido,  sem brilho,  triste,  amargurada é essa que eu vejo no espelho? 


Olho e não me vejo. Vislumbro uma estranha. Uma pessoa sem cor,  sem vida,  sem vontade, sem sonhos. Vejo uma pessoa solitária por opção ou por não saber como pedir ajuda. 


Vejo um animal acuado, encolhido em seu canto,  com medo das pessoas ao seu redor. Uma pessoa triste, chorosa, irritadiça,  que num rompante pode se tornar raivosa,  descontrolada, incapaz de controlar seus próprios instintos e plenamente capaz de acabar com a própria vida. 


Vida.  Viver para que? Viver porque? Que sentido tem a vida hoje em dia?  


Tornei-me uma covarde,  abobalhada.  Que se  deixa destruir,  que deixa que os outros façam o que quiser dela,  que não se valoriza,  que deixa ser humilhada,  espezinhada, dominada, idiotizada. 


Quem sou eu afinal? Pra que  continuar vivendo? Pra que fazer meus parentes queridos sofrerem?


Quero paz.  Preciso de paz. Onde vou encontrá-la,  meu Deus? 


Paz…  Silêncio… Calmaria… Liberdade.  


Será que consigo encontrar isso com a morte?  Não quero fazer minha família sofrer mais.  Não aguento mais sofrer. O que será que Deus reservou para mim?  


Não tenho mais forças.  Não quero mais lutar.  Quero paz.  Apenas paz… 


Perdoem meu egoísmo. Mas preciso partir. 


Deixo aqui meu até logo,  até breve,  adeus. 


Preciso partir…

sábado, 12 de agosto de 2017

89 - DEPRESSÃO

E ela chega de mansinho, de fininho, vai de instalando em sua mente, em seu coração, em sua alma.

É quando você percebe…  Já era. Olha só a d. depressão tomando conta da sua vida outra vez. Fazendo com que você tenha medo de seus pensamentos, de sua sombra, de seu reflexo no espelho, medo até de um simples piscar de olhos.

E aí você foge do mundo, se isola de tudo e de todos. Abandona seus melhores amigos, sua família, as pessoas que te amam e te querem bem.

E nesse momento, isolada do mundo, você começa a questionar sua sanidade e se coloca cada vez mais para baixo e para baixo até onde ninguém consiga te alcançar.

Você toma remédio, faz terapia, vai trabalhar, ri, chora, se estressa como se tudo estivesse normal. Mas seu olhar não tem mais o brilho que sempre teve. Ele reflete sua alma triste e em conflito.

E você tenta conversar com as pessoas e não consegue, se força a levantar da cama, a sair de casa, a fazer sua rotina diária como se tudo estivesse bem. Algumas pessoas conseguem perceber. Outras fingem não ver. Outras ainda percebem mas não entendem e não fazem questão de entender. E algumas realmente nem percebem que você está diferente. Mas a verdade é que a maioria das pessoas não sabe nem o que fazer em situações como esta.

E cada dia que passa você se isola mais um pouco, se esconde de mais um pouco, morre mais um pouco. Sua vontade não existe mais. A única coisa que você quer é sumir, desaparecer. Você só quer piscar os olhos uma última vez para dar adeus àqueles que ama e partir.

Quisera Deus ouvisse minhas preces. Quisera Deus me fizesse parar de sofrer. Quisera Deus me deixasse dar um último adeus e enfim descansar.

Depressão e tristeza. É disso que estou falando. E é exatamente assim que eu me vejo e que eu me sinto agora.


Que todos se lembrem de mim como eu fui um dia, feliz e alegre. Cheia de vida. E que em minha partida não chorem por mim. Mas agradeçam por eu enfim ter descansado...

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

87. E O CICLO VOLTA A GIRAR

Olá amiguinhos.

Já faz mais de 1 ano que não apareço por aqui.

Vontade de escrever não faltou. Faltou tempo e coragem para deixar fluir por meus dedos o que vai na alma.

A vida é bela, porém sabe ser muito cruel, infelizmente. Nem tudo o que pensamos podemos extravasar, pois as pessoas podem interpretar de maneira errada e isso acabaria me prejudicando em todos os sentidos.

O tão temido ciclo recomeçou. A dona depressão está batendo fortemente à minha porta pedindo para entrar. Por enquanto ela está pedindo e eu ainda tenho um pouco de forças para resistir e barrar sua entrada. Mas minhas forças estão chegando ao fim.

Minha vida voltou a ficar estagnada. Não vivo. Sobrevivo um dia de cada vez. Não tenho mais conseguido ser feliz todos os dias. Aliás, em nenhum dia. Tenho ficado bastante triste, me sentindo sozinha, isolada por todos num canto escuro e sombrio. Sim, é assim mesmo que me sinto. 

ESTOU SÓ E ABANDONADA. 

Mesmo estando rodeada de pessoas que gostam de mim um pouquinho que seja. Me sinto só. Me sinto largada no olho do furacão sem ter onde me segurar.

Culpa de quem? Em parte minha que me permiti chegar a este ponto novamente. Em parte de meus amigos que não conseguiram perceber o quão frágil e quebradiça estou.

Meus dias resumem-se a dormir, acordar, trabalhar, voltar para casa, dormir e repetir tudo de novo. Não saio mais. Não procuro mais meus amigos. Não tenho me permitido ser feliz. 

Isso reflete diretamente em mim, em meu brilho, em minha alma, em meu modo de agir, de pensar, de ser.

A tal da depressão está aí de volta com força total. E cada vez que ela chega pergunto-me até quando terei forças para batalhar e superar mais uma crise. Está cada vez mais difícil de conseguir superar e não pensar em fazer besteiras.

Em tudo que faço estou me sentindo assim. Arrasto-me para todos os lugares sem vontade de ir. Obrigo-me a fazer coisas que não quero e a não falar nada, apenas observar o que vai acontecendo. Ouço sem reclamar, ouço sem questionar, simplesmente ouço. Faço o que pedem para que eu faça. Sou um robô no momento. Aquele que você dá o comando e ele obedece. Sem vontade, mas com muito sentimento. Muita tristeza. E quando me vejo sozinha, deixo tudo sair em lágrimas que foram contidas durante todo o dia.

É aí que mora o perigo. Até quando vou aguentar? Não sei. Só sei que estou cansada demais de continuar a viver assim.

Sei que tem muita gente que não tem a mesma oportunidade que eu. Sei que tem muita gente que gostaria de estar viva no meu lugar lutando pelo que  quer que fosse. Ainda mais se fosse para viver mais um dia. Mas isso não me conforta e nem me conforma. Egoismo? Pode ser até. Mas para uma mente conturbada não é. 

Desistir. Essa é a vontade do momento. Desistir de tudo. De mim. Desistir de lutar. Desistir de viver...

Que Deus continue me dando forças para aguentar as batalhas que travo todos os dias, que Deus me dê forças para suportar a inveja, o desprezo, o descaso, a falta de sensibilidade das pessoas.

Voltei para a fase de um dia de cada vez. E por mais que queira desistir, não vou fazer isso. JAMAIS!!!! Venci um câncer. Sobrevivi à pior luta que já travei pela minha vida. Lutei muito para chegar aonde estou e não vou deixar que nada e nem ninguém me derrubem. 

O dia de hoje já está na metade. Só mais um pouco para ele acabar. Quem sabe o amanhã não seja melhor um pouco... 

Beijinhos para todos e até breve...

sábado, 11 de abril de 2015

86. AS ENCRUZILHADAS DA VIDA

Olá amiguinhos,

O tempo passa e eu sempre volto aqui para dar um alô e deixar extravasar pelas pontas dos dedos o que vai na alma.

Nestes últimos dias tenho pensado muito nas encruzilhadas que a vida nos coloca.

Existem momentos da nossa vida em que ficamos presos e sem saber o que fazer, qual caminho tomar.

Ou no fundo talvez nós saibamos mas não queremos admitir para nós mesmos.

Ficamos presos entre a razão e a emoção. Então, vamos analisar as duas opções.

A razão. Sábia, nunca falha, sempre sabe o que é melhor para nós. Nos mostra qual caminho seguir sem titubear. Sabe que se seguirmos pelo caminho que ela indica não teremos tristezas ou fracassos.

A emoção. Impetuosa, arisca, muito volúvel. Sempre nos coloca em enrascadas que são difíceis de sair às vezes. E se seguirmos sempre seus caminhos... Nossa!!! Que Deus nos acuda para sairmos do emaranhado de fios em que nos metemos. 

Uma é fria, a outra quente. Uma é amarga, a outra doce. Normalmente seria fácil saber o que fazer. Quem quer alguma coisa fria e amarga? Não! O doce e quente é muito melhor, muito mais gostoso. Só que no final do copo, vamos encontrar escondido atrás do quente e doce um sabor de fel... E ai, meu amigo... Já era! 

De uns anos para cá eu mudei muito. Antes nem pensaria. Agiria com a emoção sem titubear. Mas a vida nos ensina muito. A idade traz a maturidade. Traz a certeza de que quem age com a razão sempre sai ganhando. 

Mas o que fazer quando uma diz fica e a outra diz corre? O que fazer quando existem sentimentos muito maiores envolvidos no assunto? O que fazer quando vc fica preso entre a cruz e a espada? Será que sei a resposta?

Sim, eu sei. Ou acho que sei. Dentro do meu mundo e da minha realidade eu sei sim o que é melhor para mim. Jamais posso esquecer tudo  o que eu passei. Jamais vou querer passar por tudo novamente. E por este motivo eu me a pego ao único fio que me prende ligada à terra, à razão.

Passado o momento de tempestade, mesmo com tudo destruído a sua frente, sempre vemos uma luz no fim do túnel, luz esta que nos guia, que nos norteia e que nos mostra o que temos que fazer para alcançá-la.

Então, que vença a razão. Eu já sei o que é carregar uma cruz e não quero ser crucificada novamente. Já a espada, eu sei muito bem qual é o peso de carregá-la, pois terei sua companhia para o resto de minha vida. Então... A opção é óbvia. Vamos carregar a espada, pois sabemos que somos capazes de fazê-lo.

Que vença a razão, mesmo sabendo que o coração fica apertadinho, encolhidinho, cheio de vontades que não nos levarão a nada e a lugar nenhum. Isso é ser fria e calculista? Ah não. Não é não. Não é mesmo. Isso é saber o que é melhor para nós e nosso futuro. Isso é saber parar, pensar, analisar as opções e seguir pelo caminho certo. Isso é saber que, mesmo com medo de errar, fizemos escolha pela a única opção que nos traria um pouco de paz no futuro. 

Escolhi tentar chegar ao fim do túnel. E para isso será preciso fazer com que o coração sangre um pouco agora para que lá na frente ele bata novamente forte e vigoroso como ele um dia já foi.

Então, que vença a razão!!!

Beijos para todos e até qualquer dia.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

85. A TÃO TEMIDA REVISÃO - O MEDO ASSOMBRA DE NOVO

Olá amiguinhos,

Boa noite.

Faz tempo que eu não escrevo para vocês, mas minha vida tem sido uma correria tão grande que não tenho tido tempo de parar para colocar em palavras o que vai na alma.

Tenho que confessar para vocês que estou há quase 1 ano fugindo dos exames e dos médicos.

Tá, tá bom! Eu sei que é burrice, idiotice, que sou uma imbecil, que estou dando mole...

Mas sabe... Neste período tentei levar minha vida como ela era antes de eu ter câncer. Não consegui, é claro.

Fingi que tudo estava maravilhoso, que minha vida estava voltando ao normal, conheci pessoas novas e maravilhosas, fiz novas amizades, comecei a sair de casa de novo...

Durante um tempo tudo isso foi ótimo. Eu estava me sentindo viva de novo! Pensei que estivesse a um passo de me libertar de tudo.

Ah, como eu me enganei. Quis "tapar o sol com a peneira" isso sim. E no final das contas o que restou? Um estresse sem tamanho, um medo gigantesco, uma frustração enorme, um sentimento de solidão inimaginável.

Finalmente percebi que adiar os tão temidos exames só estava me fazendo mal. Mal porque eu fingia uma situação que não pode existir na minha vida. Mal porque a angústia e a dúvida passaram a tomar conta de mim, de meu coração e minha alma. Me tornei uma ermitã. Me afastei de tudo e de todos. Passei a fazer de minha vida um eterno cotidiano entediante.

Tomei coragem. Marquei os exames. Não fui. Fugi com medo. Arrumei uma desculpa qualquer e faltei.

Pensei bem, vi que tinha feito besteira e marquei de novo. De novo eu não fui.

Então isso começou a me corroer de tal forma que não aguentei mais. Desta vez marquei todos os exames para o mesmo dia e vou fazê-los. 

O dia tão esperado da temida revisão é amanhã. Faço uma bateria de exames para descobrir o que me reserva o amanhã.

Será que eu, em minha falta de fé e coragem ultimamente, vou merecer a piedade divina? 

O que será que meus exames vão mostrar?

Bem, seja o que for eu vou ter que encarar de frente. E sei que não estou sozinha. Tenho minha família e grandes amigos comigo, ao meu lado me sustentando, me dando força, fazendo com que eu erga minha cabeça, endireite a minha voz e volte a ser o que eu era.

Hoje chorei um monte. Chorei com medo, chorei de desespero, chorei de solidão. E no final do dia eu percebi que tudo isso é uma grande idiotice minha. Descobri duas pessoas maravilhosas que estão ao meu lado e que me deram uma força sem tamanho hoje. Obrigada de coração a Joanna e a Rachel. Pelo carinho, pelas palavras de incentivo, pela sacudida bem dada e por me mostrarem que eu sou abençoada por ter pessoas como vocês ao meu lado.

É isso amiguinhos. Chegou a hora da virada de novo. Já se passaram 2 anos, 9 meses e 16 dias que estou em remissão. Já passei da metade da jornada. Preciso continuar a ter forças para enfrentar os 2 anos, 2 meses e 16 dias que restam para enfim eu poder dizer: ESTOU CURADA!!!

Que Deus e nosso Senhor Jesus Cristo continuem ao meu lado me sustentando e me dando forças para seguir adiante.

Que Eles continuem a colocar pessoas maravilhosas ao meu lado. 

Que eu me lembre todos os dias de meu antigo lema, que me ajudou a estar aqui agora escrevendo para vocês: FORÇA, FOCO e FÉ!!!

Beijos para todos e até breve com o resultado dos exames.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

84. UMA ALMA PERDIDA...

Olá amiguinhos...

Hoje o blog é simples, curto e direto:

COMO SE FAZ PARA COMEÇAR DE NOVO???

COMO ENCONTRAR O CAMINHO NO MEIO DO LABIRINTO?

Como encontrar forças quando não as temos mais?

Onde encontrar vontade de viver quando se perdeu toda a alegria pela vida?

Perguntas sem fim sem que eu consiga encontrar uma resposta sequer.

Viver perdeu o brilho. Não vivo mais. Eu simplesmente existo no meio de uma multidão que não tem tempo a perder com uma pessoa que não sabe mais viver e ser feliz...

COMEÇAR DE NOVO??? Isso parece um sonho muito muito muito distante!!!



quarta-feira, 13 de agosto de 2014

83. DEPRESSÃO SIM, E DAÍ???

Olá amiguinhos,

Eis que venho aqui escrever novamente o que vai na mente.

Fiquei pensando muito nesses últimos dias...

Robin Williams morreu. Morreu de que? Asfixia? Essa pode ter sido a causa da morte, mas não o que o matou. O que o matou? Uma DOENÇA chamada DEPRESSÃO!!!

Sim, doença. E sim, depressão. Para os incrédulos de plantão que acham de depressão é frescura de quem quer chamar a atenção sobre si aqui vai uma dica:

Depressão é uma doença sim, é séria sim e, acreditem, mata!!!!

OHHHHHHHHHHH

Depressão mata? Não sabia!!! Devem estar pensando agora.

Não, a doença depressão não mata. Quem mata, ou melhor, se suicida, é a pessoa que sofre de depressão. 

Porque ela faz isso? Vários motivos e todos eles frutos desta doença cruel que faz com que as pessoas se sintam cada vez mais tristes, com medo, incompreendidas, encurraladas até que façam uma loucura sem volta.

Algumas pessoas tem anjos da guarda de plantão e recebem uma segunda (ou seria terceira??) chance na vida. Mas mesmo assim têm dificuldades de encarar a vida novamente.

Dificuldades que variam de caso para caso, de acordo com a dura realidade de cada uma delas. Dificuldades que se criam quando pessoas ao redor do depressivo não conseguem entender, enxergar e até mesmo aceitar a condição na qual se encontra aquele ente querido.

Li em uma rede social um post do Tico Santa Cruz que transcrevo uma parte: 

"Todo mundo tem respostas e soluções para os problemas e as dores dos outros. Todos tem conselhos e julgamentos sobre as decisões, "Certas" ou "Erradas". Poucos realmente são capazes de silenciar e se colocar no lugar daquele para qual aponta os dedos em seus julgamentos, teses ou soluções...Existe cura e tratamento para depressão sim. 
Mas nem todo mundo tem mais tanta paciência pra um lugar tão estranho como esse. E repito, pessoas mais sensíveis tendem a ter menos tolerância a essa maneira como estamos vivendo... Não podemos banalizar a DOENÇA DEPRESSÃO, mas é muita PRETENSÃO de vossos Juízes do ... ficarem dando suas sentenças a respeito das escolhas dos outros..."

Sábias palavras. Sábias e muito reais e verdadeiras.

Muito fácil para quem não passa "na pele" julgar, apontar o dedo, crucificar, virar as costas e negar ajuda. Ou tem aqueles que realmente tentam ajudar, pois amam a pessoa que sofre com a depressão mas não sabem como. Pessoas que tentam ajudar dizendo que temos que “olhar para o mundo de forma menos pessimista”, ou que passam horas ao lado da pessoa que sofre de depressão apenas relatando tudo o que há de bom em suas vidas  e tentando convence-lo de que não tem motivos para se sentir mal com a vida, pois a vida lhe deu tudo o que uma pessoa precisa para ser feliz. 

Isso não ajuda muito quando se está em crise. Muitas vezes o que precisamos é apenas de um acolhimento, sem conselhos, sem broncas. Apenas uma pessoa que saiba ouvir, sem criticas e julgamentos – parece fácil, mas não é. 

E quando não conseguimos isso nos vemos tão desesperados que não vemos solução. Aí vem o pensamento suicida que nada mais é do que desespero em sua forma mais brutal. É uma tentativa de solução, por incrível que possa parecer. O suicida não quer terminar com a vida, quer terminar com o sofrimento, mas mão está vendo soluções alternativas.

Enfim, depressão tem cura? 

Sim, para alguns tem. Basta que se procure ajuda com as pessoas certas e indicadas para te ajudar neste processo longo, duro e cruel, pessoas que saibam te levar aos caminhos certos para te ajudar a sair da depressão. 

Então, mãos à obra. Vamos tratar de entrar em remissão em mais este buraco negro que apareceu na minha frente.

É isso.

Beijos nas crianças e até breve...